MAIS UM…

O JusBrasil noticiou recentemente a morte de um jovem advogado, esfaqueado por um cidadão contra o qual um de seus clientes movia uma cobrança no valor de R$2500,00 (dois mil e quinhentos reais). O que se pode dizer?

A vida humana vale não vale mais nada neste triste  país. O jovem advogado é mais uma das vítimas da violência desenfreada que a sociedade brasileira,  em especial pela estupidez de suas elites,  permitiu que aqui se instalasse.

Há pelo menos 30 anos a violência homicida vem aumentando no Brasil e em 2015 inacreditáveis 56000 brasileiros foram assassinados. Os criminosos são a cada dia mais cruéis  e muitas vezes liquidam suas vítimas, após estas terem entregue todos os seus pertences, apenas pelo prazer  de praticar o mal.  Cidadãos comuns, quando propensos à violência, matam pelos motivos mais fúteis: uma discussão sobre futebol, uma vaga no estacionamento, uma dívida irrisória.

Na raiz desta desgraça estão a incompetência do governo em implementar uma política de segurança eficaz, a indiferença  de nossos legisladores para com o problema,  a ineficiência  das polícias (a quem  faltam,  em graus diversos, armas, equipamentos, laboratórios,  treinamento,  etc.)  e a brandura com que nossa lei penal trata os criminosos.

A vida de um jovem que mal iniciara sua carreira foi destruída; ele nunca terá seu escritório, não se tornará um profissional respeitado, não verá seus filhos e netos nascerem e crescerem, não rezará no túmulo de seus pais, como  se espera pela lei natural. Tudo isto,  e muito mais, lhe foi tirado pelo assassino. Para os pais, somente a dor e o vazio; não há sofrimento maior para um pai ou mãe do que enterrar um filho;

O assassino do jovem Bruno  teria, estatisticamente, 92% de chances de não ser incomodado pela polícia, uma vez que apenas 8% dos homicídios ocorridos no Brasil são solucionados. Como neste caso o autor já é conhecido, e o crime teve alguma repercussão, é possível que seja preso. Supondo que isto de fato aconteça, o assassino provavelmente responderá ao processo em liberdade. Se puder pagar bons advogados, estes conseguirão adiar o prisão por anos e anos (o assassino confesso Antônio Pimenta Neves conseguiu ficar 11 anos em liberdade após o crime). Se e quando,  finalmente,  for  julgado  será condenado a uma pena de no máximo  30 anos, e ficará não mais que seis ou sete anos preso em regime fechado.

Isto é Justiça?

Publicado por

joaoazevedojunior

I am a retired electronic engineer. who likes to write about issues that I consider interesting. I welcome your comments and constructive criticism.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s