Weekly Photo Challenge: Off Season…

Beautiful fotos of the South African “veld” in dry season.
De acordo com o dicionário “veld” se traduz por savana, que por sua vez significa “região plana cuja vegetação predominante são as gramíneas, salpicadas por algumas árvores e arbustos isolados ou em pequenos grupos. São típicas de regiões de clima tropical, com estação seca.”

Rolbos ©

When the rains have gone and the waterlevel drops, Life becomes harsh.

420The veld loses it’s vitality as the small pools dry up.
Trip 2012 305 The fishermen give up hope. The boats will wait patiently for their return.

begin 2004 114a

The elephants are the last to leave. They know the way to a hidden spring.

begin 2004 130aAt last the veld is empty. Silent. Waiting…

103_0319aBecause Nature knows: the winter will pass. The rains will come and the animals return.There is – indeed – a time for every season under heaven.

Ver o post original

INTERLÚDIO FILOSÓFICO DEBATE OLSON E O PARADOXO DO NAVIO DE TESEU

Professor João Batista de Azevedo Jr. (Foto: Evandro Carvalho / Alca)
Professor João Batista de Azevedo Jr. (Foto: Evandro Carvalho / Alca)

“Interlúdio Filosófico”, este foi o nome do terceiro Painel de Literatura realizado no último dia 05 de junho. Evento criado pela Alca – Academia de Letras, Ciências e Artes de Santa Rita do Sapucaí, o Painel aconteceu no Auditório Aureliano Chaves no Inatel e despertou o interesse pelo nome escolhido.

O Interlúdio Filosófico teve a participação do professor João Batista de Azevedo Júnior que explanou sobre a corrente filosófica denominada “animalismo”, postulado do filósofo contemporâneo Eric Olson. A proposta desta leitura foi compreender a identidade humana com suas variantes psicológicas, somáticas e/ou biológicas. O professor usou o exemplo do paradoxo do Navio de Teseu; se este era o mesmo depois das inúmeras trocas dos madeiros de seu casco.

Após os apartes dos espectadores presentes, a Academia presenteou o professor Batista com um livro: “Contos Novos”, de Mário de Andrade. Ao final, foi um exibido um vídeo em homenagem ao dramaturgo Antônio Abujamra, falecido recentemente. Abujamra recitou o poema “O Guardador de Rebanhos”, de Alberto Caeiro (heterônomo de Fernando Pessoa) em seu programa “Provocações” da TV Cultura de São Paulo (SP).

A Alca dá prosseguimento aos seus eventos na próxima sexta-feira (12) com um novo Painel de Literatura, desta vez voltado para participação de crianças e chamado “Poesia das Crianças”. Será às 20 horas no Auditório Aureliano Chaves no Inatel – Instituto Nacional de Telecomunicações. Na semana seguinte, a sessão “Cinema Alca” exibirá o filme “Sonhos”, de Akira Kurosawa. Ambos os eventos são gratuitos.

(Artigo publicado no jornal eletrônico Vale Independente)

 ALCA – ACADEMIA DE LETRAS, CIÊNCIAS E ARTES DE SANTA RITA DO SAPUCAÍ

ENTREVISTA COM ALBA ZALUAR

Esta entrevista foi publicada originalmente na Folha de São Paulo, em 12/07/ 2004 e é referenciada no artigo da Wikipédia sobre a professora Alba Maria Zaluar.  Nesta entrevista, a Dra. Zaluar, coordenadora do Núcleo de Pesquisa das Violências (Nupevi) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro diz que :
“A ideia do nosso projeto no Nupevi é ultrapassar a argumentação simplista do determinismo econômico que faz com que se pense que toda a questão da violência e da criminalidade possa ser explicada apenas pela pobreza e pela desigualdade.”

Fico muito satisfeito em perceber que algumas afirmações que fiz no post “Deus nos livre de sermos como a Suécia!” não são apenas um “palpite” meu e que há pesquisadores sérios procurando explicações menos simplistas para o problema da violência no Brasil.

Abaixo a íntegra da entrevista.

Antropóloga, estuda há mais de 20 anos a violência urbana e é coordenadora do Núcleo de Pesquisa das Violências (Nupevi) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj). A pesquisa dirigida por ela na Cidade de Deus, nos anos 80, deu origem ao seu livro “A Máquina e a Revolta”. Paulo Lins, autor do livro “Cidade de Deus” foi integrante de sua equipe de pesquisadores.

Folha – A violência nas regiões metropolitanas brasileiras aumentaram muito nos últimos anos. Por que, apesar disso, a senhora diz que temos motivos para otimismo?
Alba Zaluar – Eu diria que temos motivos para otimismo porque não somos um país de guerreiros. Nunca nos envolvemos, por exemplo, em guerras mundiais. Nossos heróis são jogadores de futebol, sambistas e artistas. Somos um país que valoriza muito o espetáculo e que reconhece que o talento pode aparecer em qualquer classe social. Nos Estados Unidos, o [diretor Martin] Scorsese nos mostra [no filme “Gangues de Nova York”] que as vizinhanças se organizaram, desde o século 19, em gangues. No Brasil, as vizinhanças se organizaram em blocos de Carnaval e escolas de samba. Isso é uma baita diferença. Até hoje, os chefes do tráfico no Brasil ganham apelidos no diminutivo, como Fernandinho ou Escadinha. Nos Estados Unidos, os apelidos são de animais ferozes ou nomes de guerreiros africanos. Esse é um indicativo de que nosso etos guerreiro não é tão forte quanto o de lá. Isso mostra que é possível superá-lo com mais facilidade.

Folha – Então por que estamos tão violentos?
Zaluar – É preciso ter políticas públicas para superar isso. Houve no Brasil um fraquejo institucional do Estado. É preciso mudar nossa polícia e o Judiciário para que a impunidade diminua, especialmente nas classes mais privilegiadas. É preciso, por exemplo, achar uma maneira de valorizar o profissionalismo na polícia. Hoje, os governos acabam indicando os delegados e chefes de batalhão por critérios políticos. Os Estados têm que acabar com o bairrismo e trabalhar em conjunto.

Folha – Em que período a senhora identifica o início desse fraquejo do Estado?
Zaluar – No que diz respeito à polícia, isso é claro durante a ditadura militar [1964-1985]. Nesse período, tudo foi permitido à polícia. A imprensa estava amordaçada e ninguém podia denunciar abusos. A maneira de combater a corrupção é criar mecanismos internos de controle e não amordaçar ninguém. É preciso ter mecanismos por meio dos quais as pessoas atingidas pela violência policial possam fazer reclamações sem temer pela própria vida.

Folha – Pobreza e desigualdade não são também elementos fundamentais para explicar a violência?
Zaluar – A idéia do nosso projeto no Nupevi é ultrapassar a argumentação simplista do determinismo econômico que faz com que se pense que toda a questão da violência e da criminalidade possa ser explicada apenas pela pobreza e pela desigualdade. Trabalhamos com a idéia de um modelo de complexidade. Levamos em conta vários elementos que se arranjam de uma determinada forma que acabam provocando essa combustão. Estamos falando apenas que a pobreza, só, não explica o fenômeno. É bom lembrar que esse é um fenômeno que aparece na década de 70. Não é verdade dizer que isso surgiu somente agora. Ao determinar a pobreza como causa da violência, estamos dando um peso que ela não tem e facilitando a criminalização dos pobres, porque leva à conclusão de que são eles os criminosos. Isso justificaria o fato de termos 90% de pobres entre nossos prisioneiros, quando sabemos que há juízes, banqueiros, comerciantes, deputados, senadores e governantes envolvidos no mundo da atividade criminosa.

Folha – Mas a existência de um contingente grande de jovens pobres que convivem diariamente com a desigualdade não é um fator que facilita a entrada deles no tráfico de drogas?
Zaluar – Não estamos dizendo que a pobreza e a desigualdade não têm nada a ver com o problema. Há várias pesquisas que mostram que os Estados mais pobres do Brasil são também os menos violentos. Londrina é uma cidade riquíssima para os padrões brasileiros, mas é violenta. Campinas também. Nos Estados, percebe-se também que os municípios mais pobres são menos violentos. Uma parte da explicação dessa questão está no fato de as regiões metropolitanas atraírem mais imigrantes. Essa concentração de muita gente nessas regiões sem emprego e sem alternativa facilita a atração para as atividades do tráfico. Mas não são todos os que são atraídos, e é aí que está o mistério. Se a desigualdade explicasse a violência, todos os jovens pobres entrariam para o tráfico. Fizemos um levantamento na Cidade de Deus e concluímos que apenas 2% da população de lá está envolvida com o crime. Como explicar que a maioria das pessoas não se envolveu com o tráfico? Certamente tem algo a mais aí.

Folha – E o que seria esse algo a mais?
Zaluar – Parece-me o fato de que alguns se deixam seduzir por uma imagem da masculinidade que está associada ao uso da arma de fogo e à disposição de matar, ter dinheiro no bolso e se exibir para algumas mulheres. A partir de entrevistas que minha equipe fez com jovens traficantes, definimos isso como um etos da hipermasculinidade. Esse é um fenômeno que está sendo muito estudado nos EUA e na Europa e diz respeito a homens que têm alguma dificuldade de construir uma imagem positiva de si mesmos. Precisam da admiração ou do respeito por meio do medo imposto aos outros. Por isso se exibem com armas e demonstram crueldade diante do inimigo.

Folha – Como combater a construção dessa imagem?
Zaluar – É preciso fazer políticas públicas mais eficientes e focadas nos jovens que estão nessa fase difícil da adolescência, para que eles possam construir uma imagem civilizada de homem, que tenha orgulho de conter a sua violência e respeitar o adversário, competindo segundo as regras estabelecidas, como acontece nas competições esportivas e na disputa dos desfiles de escolas de samba. No último capítulo do meu novo livro, eu relato a experiência que tentei desenvolver em escolas públicas do Rio. Conseguimos ter resultados positivos ao desenvolver o projeto Mediadores da Paz, que tentava mostrar aos jovens a importância de negociar os conflitos por meio das palavras e como isso podia trazer para eles respeito próprio e das outras pessoas. Nesse projeto, incentivávamos jovens a mediar conflitos entre colegas.

Folha – A senhora faz duras críticas ao livro e ao filme “Cidade de Deus”, mas eles não retratam bem essa questão da construção do etos da hipermasculinidade?
Zaluar – O Zé Pequeno [um dos principais personagens do filme] seria um exemplo dessa hipermasculinidade, mas, na minha opinião, o problema de “Cidade de Deus” é muito mais sério. Em primeiro lugar, o Paulo Lins fez o livro sem consultar as pessoas envolvidas. A pesquisa acadêmica é uma coisa séria. Eu emprestei a ele toda a pesquisa que fizemos na Cidade de Deus. Esse material tinha o depoimento do único sobrevivente da guerra [entre traficantes] retratada no filme, que é o Ailton Batata, que aparece no romance com o nome de Sandro Cenoura. Além disso, há uma série de impropriedades no romance. Nunca existiu, por exemplo, aquele bando de meninos ainda com dente de leite dando tiro nas pessoas. Isso é mentira, e é muito sério porque cria uma imagem sobre as crianças que vivem nesses locais que não é verdadeira. A própria história do Zé Pequeno é contada como se ele já tivesse nascido ruim. É uma volta à teoria do criminoso nato, que, do ponto de vista da criminologia, já está completamente superada.

Folha – Como a senhora vê a forma como a imprensa tem tratado a questão da violência urbana?
Zaluar – Estou menos preocupada hoje do que já estive. Já não vejo mais tantas fotos de traficantes e de matadores colocadas nas primeiras páginas dos jornais com destaque enorme. Isso dá fama a essas pessoas e é mais uma atração para os jovens em busca dessa fama. Os traficantes já são conhecidos pela sua dureza, mas, quando a foto deles aparece nos jornais, isso contribui mais ainda para essa fama. Infelizmente, os jornais ainda continuam dando nomes, o que contribui para a permanência do círculo vicioso de atração dos jovens.

Folha – A senhora é uma das especialistas mais procuradas pelos jornalistas para comentar casos de violência. Os jornais não acabam falando sempre com os mesmos especialistas?
Zaluar – Recentemente, fui procurada para comentar a rebelião em Benfica [que resultou na morte de 30 detentos e de um agente penitenciário na casa de custódia da zona norte do Rio, em maio]. Disse ao jornalista que não sabia nada sobre esse assunto e indiquei outros especialistas. Quase sempre aparecem as mesmas pessoas nos jornais. Em alguns casos, é gente que entende muito pouco do assunto e diz qualquer coisa só para aparecer. Isso acaba alimentando essa “Darlene” que existe dentro dos intelectuais. Tem que haver seriedade no tratamento dessa questão.